domingo, 16 de outubro de 2011

Improváveis


Se temos para dois tanto e tão pouco tempo, que dos beijos percamos a conta. Que não baste o ar que falta, nem a confissão desengasgada correndo pelo ouvido. Tampouco bastem os segredos desvelados no relance de olhares ébrios. Que cada gesto carregue a intensidade de uma despedida, tendo ainda acesa a imprevisão de uma estreia.
E façamos florir o que de mais bonito houver nesse campo onde as coisas carecem de nomes, mas transbordam de significados. Que atravessemos confundindo as pernas o nosso tempo de madrugadas e risos frouxos. Com o infinito no olhar efêmero, que sejamos justos com a nossa ventura. É o melhor que podemos fazer.

Matheus

6 comentários:

  1. Olá, Matheus! Fiquei encantada com suas palavras. Cada frase foi de um verdadeiro poeta e de uma simplicidade e sentimento incríveis! Com certeza virei inúmeras vezes por aqui.
    Muito obrigada pelo comentário no meu blog.

    Beijos, Bia.

    ResponderExcluir
  2. Aproveitar o cada momento como se fosse o último, importante isso.
    Parabens pelo texto, estou te seguindo
    beijos

    ResponderExcluir
  3. "Que cada gesto carregue a intensidade de uma despedida" lindo Matheus! Pois é, faz tempo que também não apareço aqui. Li outros posts, fiquei encantada com 'é melhor que caminhar vazio' e 'memória' =D Beijo.

    ResponderExcluir
  4. De fato os nomes não são nada, o que importa são os significados.

    Gostei imenso, Matheus.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Que assim seja. Lindo, moço! Beijão

    ResponderExcluir
  6. Que coisa mais bonita de se ler... Cada frase soa como prece, desejo... soa com vida latente em veias abertas!Encantada!

    Um suspiro!

    ResponderExcluir